© 2016 feito com ❤ por CARTÕES-POSTAIS DE VIAGENS IMAGINÁRIAS

  • b-facebook
  • Twitter Round
  • Instagram Black Round

Os Descendentes

15.11.2016

 

Esqueci hoje no ônibus um cachecol que eu adoro, principalmente pelo valor sentimental e simbolismo que ele tem para mim. Quando me dei contei que o deixei em cima do banco, lembrei-me do filme Os Descendentes.  Lembrei porque apesar de ser um ato banal, eu não queria me desfazer do cachecol, e Os Descendentes (guardada as devidas proporções) trata exatamente sobre desapego. Este verbo tão conjugado por mim e por tantas pessoas e tão difícil de praticar. Mas o que me tocou, me levando a lágrimas, (que cinematograficamente não é uma grande obra) é sempre a identificação que tenho com os protagonistas dos filmes do Alexandre Payne. Seus personagens, decidem, ou talvez seja o único meio que conhecem, tratam sempre de assuntos dolorosos, assuntos complicados, assuntos com certa carga de sentimentos (deles e dos outros), assuntos pesados, com humor, rindo de si mesmo, e apesar de não saber direito como lidar, como resolver, indo às cegas, às tontas, de uma maneira torta, eles vão em frente tentando fazer o que eles acreditam que é o certo, nem que este “certo” esbarre na nossa natureza tão humana de sermos egoístas, apegados, confusos, cheios de cicatrizes...

 

No filme, o protagonista vive duas situações distintas. Uma em que o controle está nas mãos dele e outra que ele não tem nenhum controle. E são sempre as situações que mostram a nossa impotência que nos trazem mais sofrimentos. A gente quer e quer muito que determinadas coisas nunca morram, mesmo que já não nos faça tanto bem, mesmo que para mantê-las vivas, a gente tenha de enfiar mais ainda o dedo na ferida. E o filme fala justamente disto e tenta nos ensinar que muitas vezes a gente não tem outra opção a não ser deixar as coisas irem, o que a gente pode - e deve - é nos despedir da melhor forma possível e nos perdoar. Perdoar a nossa impotência, perdoar as coisas que “poderíamos” ter feito e não fizemos. E o tempo, sempre ele, se encarrega do resto.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now