Para Califórnia, com amor

Querida Cali,

tudo começou quando deixei de escutar a negatividade alheia que citava crise e segui o meu lema de dizer a maior quantidade possível de SIMs para as oportunidades da vida. Nada como um bom planejamento financeiro e foco para chegar até você. O que eu sei é que quando você diz sim, os obstáculos vão ficando cada vez menores. Por isto, abracei a oportunidade de estudar fora do Brasil por 21 dias, te conheci e me apaixonei.


Em todos estes dias, eu fui sua. Totalmente e unicamente sua. Você foi o melhor e mais apaixonante amor de Verão que eu já tive. Lembro que no primeiro dia de aula, o professor explicou que o mais importante em um produto são os seus benefícios intangíveis e é assim que eu te vejo e te sinto, como algo não apenas intangível, mas inexplicável. Desde que nos separamos, várias pessoas vieram me perguntar como foi te conhecer e eu não consigo usar outra palavra que seja diferente de incrível.


Não tenho como explicar o que são as suas estradas, longas, cheias de placas e bifurcações, que nos premiam com um visual das suas montanhas de tirar o fôlego. O Sol que resolveu morar de vez ai, nascendo por volta das quatro da manhã e indo se pôr lá pelas nove da noite, não sem antes desfilar todas as suas tonalidades de dourado. Que privilégio o meu de poder meditar e entrar em conexão com o Divino deitada em suas areias, banhar-me nas águas do oceano Pacífico, geladíssima, mesmo com o calor de 40 graus.


Falando em calor, desculpe-me pelo preconceito, quando imaginei que encontraria uma população fria, que trataria, nós latinos, com indiferença. Fui carinhosamente e educadamente recebida, por cidadãos comuns, nas filas de mercado e posto de gasolina. Foram tão gentis em me ajudar, em querer saber de onde eu vinha e como poderiam me ajudar.


Confesso que em muitas vezes que eu não entendi o que seus moradores falavam, mas eu consegui sempre entender e me comunicar através da linguagem universal do sorriso. É por estas e por tantas outras coisas, que eu expresso a minha gratidão, Califórnia. Foram tantas experiências e sensações que eu levaria muito tempo tentando por em palavras. O que eu prefiro mesmo, é continuar curtindo aquilo que pertence apenas a nós duas.


Com amor,

Mila.